31/01/2017

Conhece o Busiris?

Claro que conhece!

Talvez não com este nome, mas você conhece. Diria até que você sabe muito bem quem é ele... ou ela. Mais ainda: é possível que você @ tenha [ou teve] como alguém que merece [ou mereceu] toda sua confiança. Tanto é que acredita [ou acreditou] bastante nele ou nela. 

Talvez dedique tempo, dinheiro e, sobretudo, se dedique [ou se dedicou] ao que el@ sempre quis e quer de você.

Busiris é o nome de um dos tantos personagens das narrativas míticas dos aedos ou cantadores de grandes feitos humanos na antiguidade grega. Eram o que chamamos hoje de contador@s de histórias.  

O tal Busiris seria filho de Netuno e rei no Egito. Em suas terras, as pessoas passavam fome porque não chovia há muito tempo. Teria ele sido informado, então, que, se matasse os estrangeiros, as terras voltariam a produzir alimentos e, assim, estaria resolvida a difícil situação em que vivia seu reino. Assim, procurar e matar qualquer um que não tivesse nascido em suas terras era o que mais Busiris fazia.

Nesse contexto se deu uma das façanhas de Héracles [ou Hércules, como é mais conhecido]. Ele encontrou ou foi encontrado por Busiris, que também era conhecido pela sua habilidade de enganar as pessoas, apresentando-se e falando como se fosse um sábio. Teria ele dito a Héracles [um estrangeiro em suas terras] que era conhecedor da verdade correta, que tinha respostas às suas perguntas e que, se Hércules ficasse com ele e o seguisse, seguramente estaria no caminho certo... e blá, blá, blá…

Héracles caiu na sua lábia, aceitou o que ele dizia e fez tudo o que ele mandou. Apaixonou-se pelo rei enganador a tal ponto que, sem perceber, foi amarrado e mantido preso por Busiris. Após um tempo, Héracles começou a entender o que estava acontecendo e, então, rompeu as amarras que o prendiam, pegou o rei pelo pescoço e o colocou no mesmo lugar em que havia sido acorrentado. Foi embora e deixou o enganador preso.  

Ou seja, ao acatar a fala de Busiris, Hércules apenas ouviu. Deixou de escutar. Não prestou atenção no que ouvia, não processou a informação, não questionou as respostas que o rei enganador dava às sua perguntas. Vale dizer: Héracles acreditou na lorota e no lero-lero de Busiris, e parou de pensar por si mesmo. Ao invés de investigar por conta própria e agir de acordo com suas conclusões, correndo os riscos de se equivocar e aprender com seus erros, preferiu acreditar e confiar justamente naquele que não tinha outro interesse a não ser acabar com ele.

Felizmente, Héracles percebeu a enrascada em que se metera e agiu rapidamente: desvencilhou-se de quem e do que o prendera, lutou com quem o enganara e o deixara amarrado em suas próprias correntes no mesmo lugar que ocupara. E mais: caiu fora. Afinal, não havia motivo algum pra dirigir a palavra a quem estava unicamente interessado em usá-lo para resolver pendências que não conseguia dar conta sozinho.

E então? conhece ou não conhece o tal Busiris? É difícil reconhecê-lo na família, na escola, na igreja, na empresa, na rua, na mídia...?

O fato é que, em geral, estamos buscando fora de nós mesmos as respostas às nossas perguntas. Ainda não percebemos que tudo é de dentro pra fora, que conhecimento não se adquire. Quantos de nós entendemos que o que é realmente importante a gente aprende, mas ninguém ensina?

A propósito, veja uma cena do episódio 17 da quarta temporada da série Vikings. Tudo a ver!

video



  

Nenhum comentário:

Postar um comentário