19/05/2007

Saaanto Paaaadre?!?!?!?!?!


Direto ao dicionário do Houaiss, para ver alguns dos sentidos da palavra SANTO:
• que pertence à religião ou aos ritos sagrados
• relativo à divindade, a Deus
• que serve a algum uso sagrado
• essencialmente puro, soberanamente perfeito
• que não pode ser violado
• útil, benéfico; seguro, eficaz, infalível
• que ou aquele que foi canonizado e/ou a quem os fiéis rendem culto
• que ou aquele que vive conforme a Lei de Deus e a moral religiosa
• que ou aquele que é dotado de santidade, que é puro, isento de culpas
• diz-se de ou pessoa virtuosa, bondosa, de conduta exemplar, irrepreensível
• que ou aquele que é digno de veneração e respeito
• diz-se de ou pessoa que se finge inocente, simples, ingênua

E da palavra PADRE:
• pai; chefe da família; avô, antepassado

Pergunto eu, com a mais fingida ingenuidade:

Será mesmo que alguém acredita, digo, acredita realmente que alguém parecido com ele, assim como você, como eu, como esse outro ou essa outra que passou pela sua cabeça... Será que alguém com um pouco, mas um pouquinho mesmo, de bom senso, isto é, alguém que sabe diferenciar o quente do frio, o doce do salgado, a bola de futebol do fio da navalha, acredita que alguém possa se apresentar como essencialmente puro e soberanamente perfeito e que, portanto, não pode ser violado?

Pode ser sério e digno de respeito alguém que não somente aceita ser considerado e tratado como infalível, puro, irrepreensível e isento de culpas, como se julga digno de veneração e respeito?

Santo, todavia, é pouco; o sujeito é também Padre. Ou seja: pai e chefe. É quem provê, prevê e julga. É quem manda. É quem diz o que pode e o que não pode – evidentemente, o que pode e o que não pode para os outros. É a lei e quem está acima da lei, ou melhor, é quem faz a lei. Mais: não apenas se apresenta e se afirma como tal, mas é chamado de Santo Padre.

De minha parte, duvido, mas duvido mesmo – aliás, faço pouco em duvidar – que qualquer pessoa nesse planeta – a não ser evidentemente o tal e as estacas que como tal o mantém, por absolutos motivos óbvios – acredite serem válidos tão dignificantes adjetivos. Duvido e faço pouco, como já disse, que alguém acredite em infalibilidade, virtuosidade, bondade, irrepreensibilidade e pureza de alguém, qualquer que seja esse alguém...

Mas a coisa não acaba por aí. O tal é chamado ainda de Sumo Sacerdote ou Sumo Pontífice. Tá bom! Sumo tem a ver com suco ou caldo. Sacerdote, com sacrificador, aquele que oferecia vítimas à divindade, entre os povos antigos. Pontífice, com aquele que faz a ponte entre A e B, por exemplo. Ou seja, estamos falando de um mediador. Não um mediador qualquer, mas o Máximo Mediador – evidente e totalmente incomum.

Pra terminar, vejamos a etimologia da palavra Papa. Do latim, pápa – pai – governador (de crianças) – amo – pedagogo. Do grego, páppas e, então, palavra expressiva infantil, dirigida ao pai ou ao avô.

Que coisa, não? Interessante, né? Caramba! Poxa! Putz! Pô!

Bem, sem querer abusar dos significados das palavras, faça você também uso de sua fingida ingenuidade: junte Sumo + Sacerdote + Papa + o último sentido de Santo (dê uma olhadinha lá em cima). Que tal?

Um comentário:

  1. Anônimo14:15

    É o sacrificador de crianças ingênuas!
    O chefe de uma instituição que prega o sexo sem proteção e condena o uso de métodos contraceptivos só pode ter um único objetivo: aumentar o número de crianças ingênuas, seus patrocinadores!
    A Igreja é uma pedra no sapato do cientista, mas quando seu poderoso chefão caiu e fraturou seu santo braço foi buscar a cura na medicina.E aquela história de milagres? Santo não opera milagres?
    Enquanto seus santos sapatinhos Prada souberem o caminho do hospital é lá que buscará a cura!
    Ai, cometi um pecado capital.(será que recebe o nome de pecado capital porque o infeliz que "peca" se redime capitalizando a casa de seu santo padre)?
    Ai, santa ignorância!
    Ana Paula Offenstein Teles

    ResponderExcluir