07/05/2016

Baixando a bola

 

Denunciar, acusar e condenar o outro é fácil. Experimente se olhar no espelho. 


 

Há momentos na vida das pessoas em que seus medos, inseguranças e outros sentimentos saem sabedeus de onde. Explodem e botam pra fora o que habita suas entranhas. É quando, por exemplo, alguém próximo da gente cometeu um delito muito grave e a gente diz: 'ninguém acredita que ele [ou ela] tenha sido capaz de fazer isso'.

Mas foi e fez! Do mesmo modo que qualquer um de nós, vivendo situações semelhantes, pode fazer. E fazer mais e mais e pior e pior.

Quando isto acontece, não raro, causa os maiores danos nas vidas das pessoas. Delas e nas nossas. Elas sofrem muito, assim como as que lhes são próximas e, de resto, todos nós sofremos com elas. Não por acaso, somos todos feitos da mesma matéria e, portanto, tanto quanto elas, qualquer um de nós é capaz de promover todo tipo de estrago.

Ou seja,

  • não dá pra ninguém se achar o máximo – somente os estúpidos se consideram cobertos de razão
  • não dá pra enaltecer quem quer que seja – somente os muito ingênuos colocam a mão no fogo por alguém
  • não dá pra desprezar seja lá quem for – somente os babacas não percebem que, quando apontam um dedo pro outro, há outros três dedos da própria mão apontando pra ele mesmo [veja isto]

Convém, então, baixar a bola. Nada de chutão. O jeito é aprender a quicar baixinho. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário