18/07/2016

Ideias de jirico

Ideias como 'sociedade' e 'cultura' superior ou melhor ou mais forte que outras são demasiado comuns em nosso meio e, não raro, encabeçadas por experts em remedar os 'mais cultos'.

Na melhor das hipóteses, este é mais um equívoco de alegrinho - gente que não pensa com sua própria cabeça e se contenta em reproduzir as ideias dos colonizadores antigos e atuais. Na real, é ignorância e submissão à ousadia e à violência de quem impõe sua visão de mundo.

Ora, falar em 'cultura' e 'sociedade', entre outros, é abordar termos vazios que, a rigor, não existem. O que existe são modos de ser, de sentir, de pensar e de agir essencialmente diferentes entre si. O que existe são grupos sociais reais vivendo nos mais distintos lugares e indivíduos reais partilhando seus variados modos de viver nos grupos que integram.

Esses indivíduos e grupos podem apresentar traços biológicos/psicológicos/sociais parecidos, podem habitar espaços comuns e até falar a mesma língua mas, definitivamente, não são iguais. Não a ponto de uns e outros afirmarem que há, por exemplo, 'identidade cultural' americana, africana ou seja lá qual for. Ou então defenderem a ideia de 'sociedade' brasileira, chinesa, egípcia, guatemalteca e outras. A não ser do ponto de vista 'político' – termo que, na prática, como bem sabemos, significa interesses específicos de grupos igualmente específicos – que sentido tem falar em 'sociedade'? Quem de nós se associou com quem?

O que somos, isto sim, são inúmeros indivíduos e grupos passíveis de convivência social. Passível quer dizer capaz de estabelecer relações com outros indivíduos e grupos, de co-laborar com eles, de com-partilhar a existência, de trocar informações, ideias, serviços e produtos – o que não quer dizer que esse ou aquele grupo ou indivíduo precisa ou queira ou deva conviver com quaisquer outros.

Afirmar, então, a ideia de 'cultura' ou é, imbecilmente, ignorar a diversidade que nos caracteriza ou, docilmente, submeter-se a quem se diz superior ou melhor ou mais forte. Do mesmo modo, afirmar a ideia de 'sociedade' ou é, passivamente, aceitar quem se impõe pela violência ou, estupidamente, ignorar que 2 é igual a 1 mais 1.